domingo, Fevereiro 24, 2008

Tese de Doutoramento - Carlos Sequeira

Título da Tese
“O aparecimento de uma Perturbação demencial e suas repercussões na Família”

Autor:
CARLOS ALBERTO DA CRUZ SEQUEIRA,
Professor na Escola Superior de Enfermagem do Porto,
Doutor em Ciências de Enfermagem,
E-mail: carlossequeira@esenf.pt

Resumo
O trabalho que serviu de base à tese de doutoramento sobre as repercussões nos familiares cuidadores associadas ao cuidar de idosos dependentes é um estudo que de um modo geral aborda as DIFICULDADES, as ESTRATÉGIAS DE COPING, a SOBRECARGA e a SATISFAÇÃO que os prestadores de cuidados revelam, quando cuidam de idosos dependentes (com e sem demência).É um trabalho que salienta a importância dos enfermeiros efectuarem o diagnóstico e a monitorização das DIFICULDADES/SOBRECARGA dos cuidadores e que descreve formas de intervenção que, possibilitam o desenvolvimento de ESTRATÉGIAS DE COPING e a obtenção de SATISFAÇÃO por parte do cuidador informal, na relação de prestação de cuidados.Apresenta ainda, um modelo explicativo de repercussões associadas ao cuidar e os resultados da validação de instrumentos com interesse para prática clínica, nos domínios supracitados.

Motivações para o estudo
Este trabalho surgiu a partir de um conjunto de motivações pessoais e profissionais relacionadas com: (i) o fascínio pelo envelhecimento como indicador da longevidade humana; (ii) por considerar que as demências constituem um grave problema de saúde pública; (iii) que os cuidadores informais podem desempenhar um papel fundamental na manutenção do idoso no domicílio e na dignificação do cuidar.

Determinantes do estudo
A sociedade actual depara-se com um problema relacionado com o envelhecimento demográfico da população que tem como principal característica, uma maior Longevidade das pessoas, à qual se associa um aumento significativo do índice de envelhecimento e do índice de dependência dos idosos.
A demência constitui uma entidade patológica característica dos idosos e que se caracteriza pelo aparecimento de um conjunto de alterações cognitivas, comportamentais e sociais, com impacto no seu portador e naqueles que o rodeiam.A associação destes dois factores salienta a importância do estudo dos cuidadores informais, que neste contexto, se vêm confrontados com uma situação de dependência, com a qual necessitam de lidar, na maioria das vezes, sem qualquer preparação especifica para o efeito.

Principais objectivos do estudo
· Analisar as relações que se estabelecem entre as variáveis dos diferentes contextos (idoso dependente, cuidador e prestação de cuidados) e determinar o seu impacto em termos de repercussões positivas e negativas;
· Proceder à adaptação e validação da Escala de Sobrecarga do Cuidador de Zarit na população portuguesa, de forma a possibilitar a sua avaliação e monitorização;
· Contribuir para a validação de instrumentos que avaliam as dificuldades (CADI), estratégias de coping (CAMI) e satisfação (CASI) associados ao acto de cuidar;
· Elaborar um modelo preditivo de repercussões, de modo a fornecer contributos para que as intervenções a implementar, sejam capazes de atenuar a sobrecarga e promovam a satisfação.

Aspectos metodológicos
Para a prossecução destes objectivos elaboramos um estudo de natureza essencialmente quantitativa, do tipo analítico, correlacional e comparativo. Utilizamos como grupo de estudo os cuidadores de idosos com demência e como grupo de comparação, os cuidadores de idosos com dependência de causa “física”.
Pretendemos com esta metodologia verificar o impacto do facto do idoso ser dependente devido a uma perturbação demencial em termos de repercussões, ou seja, o contributo das alterações cognitivas e comportamentais associadas à demência, em termos de consequências para o cuidador informal.
Relativamente à dependência dos idosos reportamo-nos a situações de dependência ligeira (inferior a dois anos), para ambos os grupos de cuidadores.
O estudo inclui variáveis agrupadas em quatro contextos principais:
Idoso (sócio-demográficas, morbilidade, dependência, etc.);
Cuidador (sócio-demográficas, estado de saúde, conhecimentos, etc.);
Relação de prestação de cuidados (dificuldades, recursos, estratégias de coping, ajudas, apoios, etc.);
Resultados (sobrecarga, satisfação, etc.).
Utilizamos como instrumentos de colheita de dados:
· Questionário para recolha de informações gerais, sócio-demográficas, clínicas, de repercussões objectivas e de aspectos de natureza qualitativa;
· Índice de Barthel para avaliar o grau de dependência do idoso nas ABVD;
· Índice de Lawton, para avaliar o grau de dependência do idoso nas AIVD;
· MMS para avaliar o comprometimento cognitivo;
· CDR para avaliar o estádio da demência;
· ESSS, para avaliar a percepção com o suporte social;
· CADI para avaliar as dificuldades no cuidar;
· CAMI para avaliar as estratégias de coping utilizadas pelos cuidadores;
· ESC para avaliar a sobrecarga;
· CASI para avaliar a percepção de satisfação com o cuidar.

Principais conclusões do estudo
Os resultados deste trabalho permitem através de um modelo preditivo, identificar as variáveis dos diferentes contextos (idoso dependente, cuidador e prestação de cuidados) que apresentam um valor prognóstico em termos de sobrecarga e de satisfação. Estes dados são fundamentais para possibilitar a implementação de intervenções de Enfermagem com valor efectivo em termos de prevenção da sobrecarga e de promoção da satisfação.

Em termos de sobrecarga as variáveis identificados com valor preditivo significativo no modelo de regressão foram: A presença de uma perturbação demencial; elevada dependência; MMS inferior a 22; o cuidador encontrar-se reformado ou doméstico; ter uma fraca percepção do seu estado de saúde; ser conjugue; não ter ajudas no cuidar; cuidar durante mais de 12 horas por dia; apresentar uma baixa satisfação com o suporte social e elevadas dificuldades no cuidar.

Em termos de satisfação as variáveis encontradas com elevado valor preditivo foram: inexistência de alterações cognitivas; MMS superior a 22; o cuidador apresentar uma boa percepção do estado de saúde; ter uma boa relação prévia com a pessoa alvo de cuidados; uma boa satisfação com o suporte social e utilizar de forma eficaz as estratégias de coping.

Assim, verifica-se que o cuidar está associado a um conjunto de agentes stressores que, são mediados pela relação da prestação de cuidados e da qual pode resultar, em maior ou menor intensidade, sobrecarga e/ou satisfação do cuidador. Constata-se que o cuidar está associado a repercussões positivas e negativas.
Cuidar de idosos dependentes com demência está associado a maiores índices de dificuldades, à adopção de um menor número de estratégias de coping e à obtenção de uma menor índice de satisfação com o cuidar, o que implica maiores repercussões negativas concretizadas em valores de sobrecarga global e parcelar mais elevados (à excepção da percepção de auto - eficácia) comparativamente ao cuidar de idosos dependentes de causa “física”, essencialmente devido às alterações cognitivas e comportamentais que apresentam, das quais se salientam as alterações da memória, a agitação, a agressividade e as alterações de comportamento social, a que os cuidadores atribuem elevadas repercussões negativas.
A sobrecarga está directamente associada às dificuldades (CADI) objectivas e/ou subjectivas que o cuidador experimenta no cuidar.
A adopção de estratégias de coping de forma eficaz (CAMI) e a existência de suporte social (ESSS) são determinantes para os níveis de satisfação (CASI) apresentados pelo cuidador.
A constatação da veracidade destas hipóteses remete-nos para a necessidade de organização das respostas dos serviços de saúde, de forma a transformar as intervenções pontuais em intervenções sistemáticas em articulação com os diferentes agentes formais e informais.
O enquadramento destas respostas deve ter por matriz as necessidades e as dificuldades do cuidador. As modalidades de intervenção individuais e colectivas a implementar deverão ter em atenção as estratégias de coping que os cuidadores utilizam com eficácia, de modo a promoverem a satisfação, a diminuírem o stresse e a sobrecarga associados ao acto de cuidar.
Os instrumentos CADI; CAMI; CASI e ESC, revelam-se instrumentos com interesse para a investigação e para prática clínica, quer no diagnóstico/avaliação da sobrecarga, quer na monitorização/avaliação de programas de apoio ao cuidador.
Devem-se desenvolver novos estudos com estes instrumentos, de modo a validar algumas das alterações sugeridas e aferir a sua consistência atendendo à realidade sociocultural portuguesa.
O reconhecimento de que os cuidadores são agentes fundamentais, na prestação de cuidados de saúde aos idosos com dependência de longo prazo deve constituir uma prioridade para as políticas de saúde, atendendo ao envelhecimento demográfico da população portuguesa e ao aumento da prevalência das doenças crónicas associadas a uma maior longevidade, DE MODO A QUE QUEM CUIDA, NÃO FIQUE POR CUIDAR.
Neste sentido, consideramos que os profissionais de saúde devem ter como alvo da sua atenção, o idoso dependente e o cuidador informal, de modo a intervir de forma efectiva, na relação de prestação de cuidados, facilitando a adaptação de ambos a esta nova realidade (dependência/cuidador).

Nota: Mais informações sobre o estudo podem ser obtidas através do E-mail: carlossequeira@esenf.pt, carlossequeira@clix.pt

quinta-feira, Fevereiro 21, 2008

Saúde Mental Positiva do Aluno


Investigação em Curso
(carlossequeira@clix.pt)

Saúde Mental do Aluno: Estratégias de diagnóstico e de intervenção

Introdução
Na sociedade actual a maioria das pessoas vive um período de stresse quotidiano, devido em grande parte, ao estilo de vida adoptado, no qual a competição é o principal denominador. Esta comunalidade, constitui uma realidade nos estudantes do ensino superior que, são alvos de inúmeras pressões, desde a separação física dos pais, à exigência do ensino, à adaptação a uma nova etapa (amigos, meio físico, …), à necessidade de corresponder às expectativas depositadas sobre eles, etc.
Estes factores pode ser percepcionados de forma positiva (bem-estar psicológico), ou de forma negativa (distress psicológico), quando não se verifica uma adequada adaptação.
O ingresso no ensino superior associa-se a um processo de transição que necessita de ser bem nutrido, com conteúdos e apoios, de modo a contribuir para sucesso e a evitar a insatisfação/morbilidade. O período lectivo está recheado de fontes de stresse (frequências, avaliações, ensinos clínicos, competitividade, as notas para ingressos no mundo de trabalho, etc.) que exigem dos alunos a robustez necessária para transformar o possível distress em eutress.
A capacidade para gerir as variáveis positivas em termos de saúde mental são determinantes para proporcionar uma transição equilibrada na tríade secundário – superior - trabalho.
Em termos positivos entende-se a saúde mental como um estado de funcionamento óptimo do ser humano, no qual a promoção das qualidades da pessoa a optimizar o seu potencial é fundamental (Lluch, 2001; 2003).
Os docentes verbalizam com frequência que os alunos revelam elevados consumos de substâncias adictivas (psicofármacos, álcool, drogas, etc.), que por vezes manifestam níveis de ansiedade excessiva, que se encontram deprimidos, entre outros aspectos.
Na maioria das vezes, estas situações só são identificadas em situações extremas, ou seja, em situações de morbilidade em que, o recurso a apoio psicológico/psiquiátrico é determinante.

Material e métodos
Trata-se de um estudo exploratório e correlacional de forma longitudinal, durante um período mínimo de quatro anos (2008/2011).
Pretende-se com este trabalho avaliar a capacidade do aluno em termos de gestão das variáveis positivas que integram a saúde mental, monitorizar o consumo de substâncias e efectuar o diagnóstico da morbilidade psiquiátrica.
A população em estudo será constituída pelos alunos que ingressem no curso de licenciatura em Enfermagem a partir do ano lectivo 2007/2008, na Escola superior de Enfermagem do Porto.

Instrumentos a utilizar:
Questionário de saúde mental positiva de Lluch (2003)
Trata-se de um questionário com 39 questões que contém uma série de afirmações sobre a forma de pensar, sentir e agir de cada um, agrupadas em seis dimensões (satisfação pessoal, atitude positiva, auto-controlo, autonomia, capacidade de realização de problemas e habilidades de realização interpessoal), que oferece aos inquiridos quatro possibilidades de resposta (sempre ou quase sempre; com bastante frequência, algumas vezes, quase nunca ou nunca.
European School Survey on Alcohol and other Drugs (ESPAD/2007) - Direcção Geral de Saúde, Dra. Fernanda Feijão - Coordenador do ESPAD Portugal.
Deste questionário serão apenas utilizados os itens:
Substâncias psicoactivas Lícitas (álcool e tabaco);
Produtos farmacêuticos (sedativos, tranquilizantes, hipnóticos,...);
Substâncias psicoactivas ilícitas (Haxixe, erva, ecstasy, anfetaminas, ...).
Em cada item será avaliado o consumo, a frequência, o contexto e a motivação.
Inventário de Saúde Mental (ISM) de Ribeiro (1999).
O ISM é um questionário de auto-resposta, que inclui 38 itens, com cinco a seis possibilidades de resposta.
Os 38 itens distribuem-se por cinco escalas (ansiedade, depressão, perda de controlo emocional, afecto positivo e laços emocionais), que por sua vez, se agrupam em duas grandes dimensões: o Distress psicológico e o Bem-estar psicológico

Protocolo de colheita de dados
Inicio de 2008 – primeira avaliação. Nesta avaliação serão identificados os alunos que apresentam risco de mobilidade psiquiátrica, consumo de substâncias psicoactivas e/ou morbilidade psiquiátrica. Será elaborado um plano de intervenção individual para cada aluno com a sua concordância. Este plano será avaliado semestralmente.
Maio de 2008 – segunda avaliação;
Maio de 2009 – terceira avaliação;
Maio de 2010 – quarta avaliação;
Maio de 2011 – quita avaliação.
Em cada avaliação será efectuado um processo idêntico ao descrito na primeira avaliação.
Serão respeitados todos os princípios éticos inerentes a um trabalho de investigação, no qual, a participação será voluntária e cada participante pode desistir a qualquer momento, sem que daí advenha qualquer prejuízo para o mesmo.
Já se obteve a devida autorização para a aplicação dos instrumentos (autorização dos autores e da instituição onde se concretiza o trabalho).

Análise de dados
Os dados recolhidos serão editados pelo investigador numa base especificamente criada para o efeito no programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 13.0 do Windows.
A edição dos dados pessoais, que identifique os alunos, será efectuada separadamente da base geral dos mesmos, para garantir a sua confidencialidade.
O conjunto das informações recolhidas será inicialmente analisado de acordo com a metodologia descritiva usual, após a sua informatização.
Após a avaliação das características de distribuição amostral, as variáveis quantitativas contínuas serão descritas através de medidas de tendência central (médias) e dispersão (desvio padrão), se normalmente distribuídas, e recorrendo à mediana, âmbito de variação e quartis, nas que apresentem outro tipo de distribuição, nomeadamente após tentativa de transformação. As variáveis quantitativas serão comparadas pela prova t de Student, análise de variância (ANOVA) e coeficiente de correlação de Pearson ou equivalentes não paramétricos.
Para analisar a associação entre variáveis nominais, as distribuições de frequências serão estudadas recorrendo ao teste Qui-Quadrado (c2), com correcção de Yates, quando o valor esperado em algumas células for inferior a 20 e quando esse valor for inferior a cinco utiliza-se a técnica exacta de Fischer.
No estudo de validação dos instrumentos, a consistência interna é avaliada através do alfa de Cronbach e a determinação do número de factores é efectuada com o recurso à análise dos componentes principais com rotação ortogonal segundo o método Varimáx.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Associação Americana de Psiquiatria. (1996). Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (4ª Edição). Lisboa: Climepsi Editores.
Faria, M. C. S. (1999). Comunicação e bem-estar no limiar do século XXI, conhecer através da relação e orientar para a saúde. Tese de Doutoramento, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Coimbra.
Fernandez-Rios, L., Buela-Casal, G. (1997). El concepto de salud / enfermedad. In G. Buela-Casal, L. Fernández-Ríos, T. Carrasco (Eds.). Psicología Preventiva. Avances recientes en técnicas y programas de prevención, Madrid: Pirámide.
Ferros, L. (2003) – Jovens, drogas e famílias – uma breve revisão da literatura. Revista toxicodependências, Instituto da Droga e Toxicodependência, vol. 9 (2), 71-83.
Gloria, N. M., Teresa, L. C., Dolores, M. L. (1991). Enfermería psico-social II. Barcelona: salvat Editores, S. A.
Johnson, M., Bulechek, G., McCloskey, J., Mass, M., e Moorhead, S. (2005). Diagnósticos, resultados e intervenções de enfermagem – Ligação entre NANDA, NOC e NIC. S. Paulo: Editora Artemed.
Lluch, M. T. (2002). Evaluación empírica de un modelo conceptual de salud mental positiva. Salud Mental, 25, 42-55.
Lluch, M. T. (2003). Construcción y análisis psicométrico de un cuestionario para evaluar la salud mental positiva. Psicología Conductal, vol. 11 (1), 61-78.
OMS (1998). Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10 – critérios diagnósticos para pesquisa. Porto Alegre: Artes Médicas.
OMS (1998a). Salud 21: una introducción al marco político de salud para todos de la Región Europea de la OMS. Madrid: Ministerio de Sanidad y Consumo
OMS (1999). Glossaire de la promotion de la santé. Geneva: OMS.
OMS (2001). Relatório sobre a saúde no mundo – saúde mental: nova concepção, nova esperança. Geneva: OMS.
Ribeiro, J. L. P. (1999). Escala de Satisfação com o Suporte Social. Análise Psicológica. Vol. 17. (3), 547-558.
Ribeiro, J. L. P. (2001). Mental Health Inventory: Um Estudo de Adaptação. Psicologia: Saúde & Doenças, vol. 2 (2),77-99.
SAMPAIO,D. - A Cinza do Tempo. Lisboa: Editorial Caminho. 1997.
SAMPAIO,D. - Inventem-se Novos Pais. Lisboa: Caminho. 1994.
Schuckit, M. A. (1998). Abuso de álcool e drogas. Lisboa: Climepsi Editores.
Sequeira, C. (2001). Prevalência dos comportamentos de risco e a ocorrência/gravidade do politraumatizado. Tese de mestrado, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto.
Sequeira, C. (2006). Introdução à prática clínica. Coimbra: Quarteto Editora.
Sequeira, C. (2007). Cuidar de idosos dependentes. Coimbra: Quarteto Editora.

quarta-feira, Fevereiro 20, 2008

Livro: Introdução à prática clínica

Título do Livro

INTRODUÇÃO À PRÁTICA CLÍNICA: DO DIAGNÓSTICO À INTERVENÇÃO EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA.

AUTOR:
Carlos Alberto da Cruz Sequeira
Professor Adjunto: Escola Superior de Enfermagem de São João
Especialista em Enfermagem Saúde Mental e Psiquiátrica
Doutor em Ciências de Enfermagem
Mail: carlossequeira@esenf.pt

Apresentação do livro
Este livro surge na necessidade de compilar um conjunto de informação relevante para a prática de Enfermagem, no contexto da Saúde Mental e Psiquiatria. Não se pretende com o mesmo, abordar de uma forma exaustiva as diferentes problemáticas expostas, nem tão pouco limitar o campo de observação às mesmas, apenas se pretende fornecer um instrumento aglutinador de alguns conhecimentos considerados fundamentais e relevantes para a prática, fomentando o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo.

Está essencialmente direccionado para a prática clínica com ênfase para o processo diagnóstico (com base na metodologia proposta na CIPE), no qual se incluem os dados relevantes/critérios de diagnóstico, a apresentação do diagnóstico, as intervenções de Enfermagem e a descrição das actividades que permitem a sua concretização.

Os diagnósticos e as intervenções de Enfermagem descritas neste livro tiveram por matriz a metodologia e a linguagem preconizada pela Classificação Internacional Para Prática de Enfermagem (CIPE) em articulação com a Classificação Internacional das Intervenções de Enfermagem (NIC) e a Classificação Internacional dos Resultados de Enfermagem (NOC).
O seu contributo no Contexto da Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria, reside nas possibilidades de documentação e reflexão do trabalho autónomo do Enfermeiro sobre a forma de Diagnósticos e Intervenções, de modo a facilitar a construção de indicadores de qualidade de acordo com os ganhos associados ao trabalho dos Enfermeiros, permitindo descriminar as práticas de qualidade e a importância do Enfermeiro Especialista em SMP, na optimização das respostas às necessidades das pessoas com alterações do aparelho psíquico.
A revalorização das práticas dos enfermeiros terá como consequência: a promoção da saúde mental, a redução da morbilidade, a diminuição dos custos associados e uma maior satisfação dos profissionais.
Assim, devem-se privilegiar as práticas assistênciais mais adequadas ao perfil epidemiológico das sociedades modernas de forma a promover a participação das pessoas com doença mental na sociedade (Cidadania), para as quais a CIPE fornece mais valias, pela via do incentivo à reflexão, da uniformação da linguagem, das possibilidades de comparação dos dados, do incentivo à investigação, e da possibilidade de aferição dos resultados, a partir dos quais, se poderão seleccionar as intervenções que apresentem uma maior eficácia na promoção da saúde das populações.

É constituído por uma parte teórica que enquadra a Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria, pela teorização sobre alguns focos de atenção no domínio do auto-conhecimento e da relação e pela descrição dos DIAGNÓSTICOS E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM nos seguintes domínios:
CONSCIÊNCIA;
PENSAMENTO;
MEMÓRIA;
ORIENTAÇÃO;
APRENDIZAGEM;
HUMOR;
VONTADE DE VIVER;
IMAGEM CORPORAL;
AUTO-ESTIMA;
AUTOCONTROLO;
COPING;
STRESSE;
ANSIEDADE;
TRISTEZA;
SOLIDÃO;
EUFORIA;
OBSESSÃO;
ALUCINAÇÃO;
INSÓNIA;
AGITAÇÃO;
CONVULSÃO;
DOR;
TENTATIVA DE SUICÍDIO;
USO DE ÁLCOOL;
USO DE DROGAS;
INTERACÇÃO SOCIAL/RELAÇÃO.
É um livro orientado para os enfermeiros do contexto da Saúde mental e Psiquiatria, mas que também pode fornecer contributos para os enfermeiros de outros contextos (oncologia, comunidade, etc.).

terça-feira, Fevereiro 19, 2008

Livro: Cuidar de idosos dependentes

Apresentação do livro:



CUIDAR DE IDOSOS DEPENDENTES

O presente livro tem como finalidade contribuir para a divulgação do conhecimento sobre o processo de cuidar, principalmente, quando este tem como alvo uma pessoa com dependência de causa física e/ou mental, pelo que se espera proporcionar uma ferramenta útil, e promotora da discussão para todos aqueles que se interessam por esta área.

Sintetizam-se conhecimentos sobre o contexto em que se insere o prestador de cuidados (cuidador informal), numa viagem breve pelo: Envelhecimento, demências, tipos de família, cuidadores, níveis de dependência, instrumentos de avaliação do idoso (actividades básicas, instrumentais e avançadas) e do cuidador (principais dificuldades, níveis de sobrecarga, estratégias de coping, fontes de satisfação e o bem-estar), de forma não hermética para os profissionais saúde, o que permite a iniciação a esta temática ou a sua rápida revisão.
Descreve a caracterização dos idosos e cuidadores em Portugal e dedica um capítulo às estratégias de intervenção tendo como alvo os idosos com dependência de causa física/mental e os cuidadores.

Cuidar de familiares (idosos dependentes) constitui um acto de amor da maior relevância que, deve ser incentivado e preservado. É necessário que os profissionais de saúde dediquem uma atenção crescente aos cuidadores, de modo a que, quem cuida não fique por cuidar.

Autor:
Carlos Alberto da Cruz Sequeira (Ph.D.)
Professor na Escola Superior de Enfermagem do Porto
Doutor em Ciências de Enfermagem pelo ICBAS-UP.
Autor de uma tese de doutoramento intitulada “o aparecimento de uma perturbação demencial e suas repercussões na família”.
Contactos: carlossequeira@clix.pt

Sequeira, Carlos (2007). CUIDAR DE IDOSOS DEPENDENTES. Coimbra: Quarteto editora. ISBN 978-989-558-092-7. (310 páginas)

Links onde se pode encontrar o Livro:

http://www.fnac.pt/pt/Catalog/Detail.aspx?cIndex=0&catalog=livros&categoryN=Livros&category=psicologia&product=9789895580927

http://www.centralivros.pt/detalhe_livro.asp?id=10070

http://www.livpsic.com/v3/detalhe01.php?id=60646&classificar=s